Agende já suas vacinas
Vacinas
16 mar 2020 | AUTOR: Profa. Dra. Camila de Melo Accardo e Profa. Ms. Midiã Dias de Jesus Seno

O novo coronavírus (COVID-19) e a vacina da gripe: qual a relação entre eles?

Entenda aqui o porquê o Ministério da Saúde antecipou a vacinação contra a gripe e se esta vacina protege contra o coronavírus (COVID-19)

O novo coronavírus está se espalhando pelo mundo de forma significante e, em poucos meses após sua primeira aparição em Wuhan na China, já foi confirmado em todos os continentes do mundo, com exceção da Antártica. No Brasil o primeiro caso foi confirmado em 26 de fevereiro, na cidade de São Paulo e o vírus tem se espalhado rapidamente.

Com isso, o Ministério da Saúde resolveu antecipar a campanha de vacinação nacional contra a gripe. A campanha que costuma acontecer em abril foi antecipada para o mês de março.

Entenda aqui o porquê o Ministério da Saúde adotou essa medida, se você estará protegido contra o coronavírus (COVID-19) e porque tomar a vacina da gripe é importante.

Entendendo o Coronavírus (COVID-19)

Os coronavírus fazem parte de uma família de vírus que causam infecções respiratórias e que estão por toda parte. Entre os sintomas mais comuns numa infecção pelo coronavírus (COVID-19) estão a febre, tosse e dificuldade em respirar. O período de tempo entre ser infectado pelo vírus e o surgimento dos primeiros sintomas é chamado de período de incubação e varia de pessoa para pessoa, pode chegar entre 1 a 14 dias. O tempo médio de surgimento dos sintomas para a COVID-19 na população em geral têm sido de cinco dias.

No final de dezembro de 2019, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recebeu um alerta sobre diversos casos de pneumonia na cidade de Wuhan, na China. Em 7 de janeiro de 2020, as autoridades chinesas confirmaram a identificação de um novo tipo de coronavírus, responsável por causar a doença chamada de COVID-19. Até então, não havia relatos deste tipo de vírus identificado em seres humanos.

Até 16 de março de 2020, a transmissão se dá principalmente de pessoa a pessoa e já são mais de 114 países que confirmaram casos, sendo a maioria na China. O primeiro caso no Brasil foi confirmado em 26 de fevereiro, e em menos de 15 dias já haviam mais de 20 casos espalhados pelos estados de SP, RJ, BA e MG. Em 11 de março de 2020, a doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19) foi caracterizada pela OMS como uma pandemia, este termo se refere à distribuição geográfica de uma doença e não está relacionado à sua gravidade.

A Vacina da Gripe e o Coronavírus (COVID-19)

Apesar da medida de antecipação da campanha de vacinação, é primordial entender que a Vacina Influenza (gripe) não protege e nem aumenta a resistência para a infecção por qualquer tipo de coronavírus.

As indicações do Ministério da Saúde e das sociedades científicas para a vacinação antecipada para a gripe, neste momento, são uma estratégia para prevenção e diminuição de casos de gripe no outono/inverno e para auxiliar os profissionais de saúde a descartarem as doenças causadas por influenzas (gripe) na triagem e acelerar o processo de diagnóstico para a COVID-19.

Apesar de não apresentar eficácia contra nenhum tipo de coronavírus, ao descartar a influenza logo no início do procedimento de triagem e, consequentemente, acelerar o início dos atendimentos específicos e, desta forma, contribuir para evitar maiores complicações de saúde nos grupos de risco (gestantes, crianças e idosos), historicamente mais vulneráveis, a vacinação da população pode fazer uma grande diferença ao lidar de forma ágil, a nível nacional, com o coronavírus (COVID-19).

A proteção ao sistema imunológico, que é promovida pela vacinação, é a estratégia mais eficiente conhecida até hoje para a prevenção de doenças infecciosas. Manter o calendário vacinal sempre atualizado permite com que as doenças na população fiquem sob controle do ponto de vista epidemiológico, deixando a população mais saudável.

Até o presente momento não existem tratamentos específicos para a atual infecção pelo novo coronavírus. Segundo a ANVISA, o tratamento indicado é repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso. Nas situações em que houver uma persistência dos sintomas ou uma dificuldade respiratória, é necessário procurar um serviço médico.

Importante alertar que, quando surgem os primeiros sintomas, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento. A maioria das pessoas apresenta boas respostas aos tratamentos e cuidados de suporte, com boa recuperação. Procurar quando houver persistência dos sintomas e vínculo epidemiológico, isto é, contato com um paciente que tenha já contraído o vírus ou que tenha vindo de uma região ou país em que a circulação é intensa.

Planeta Terra com mascara se protegendo do coronavírus

Por que ainda assim tomar a vacina da gripe?

Além do explicado acima, mesmo não tendo ação direta contra o coronavírus (COVID-19), a vacina da gripe (influenza) é de fundamental importância na prevenção do indivíduo contra o adoecimento e/ou futuras complicações mais graves que possam levar à internações ou até mesmo, em algumas situações, para indivíduos mais vulneráveis ao óbito.

Algumas pessoas são mais vulneráveis a complicações respiratórias como pneumonias e inflamações cardíacas. A vacina da gripe ainda contribui para reduzir a circulação deste vírus no meio ambiente, o que é de fundamental importância para que aqueles indivíduos que não podem tomar a vacina fiquem mais seguros.

A Campanha Nacional de Vacinação, que foi antecipada para março (23), em vez de iniciar na segunda quinzena de abril, tem como principal público-alvo: gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), crianças de seis meses a seis anos (cinco anos, 11 meses e 29 dias), idosos (a partir dos 60 anos), historicamente mais vulneráveis à doença, que pode levar à óbito; Também fazem parte do público-alvo: trabalhadores da saúde, professores, portadores de doenças crônicas e outras categorias de risco clínico.

As pessoas que estão fora dos grupos de risco cobertos pela rede pública podem, de qualquer forma, se proteger tomando a vacina em clínicas particulares de vacinação.

A Vacina da Gripe

Ano a ano a Organização Mundial da Saúde (OMS) fornece orientações da composição das novas vacinas para gripe. A vacina Influenza contém partes de diferentes vírus da gripe, definidas conforme as orientações da OMS, com base em informações recebidas do mundo inteiro sobre a prevalência dos tipos de vírus circulantes. Dessa forma, a vacina da gripe muda todo ano para conferir proteção contra os tipos de vírus mais comuns naquela época. Essa vacina é inativada, ou seja, não apresenta nenhum risco de causar a doença, ela apenas orienta o sistema de defesa a como se defender. As vacinas estimulam o sistema imunológico a produzir agentes de defesa, chamados de anticorpos e células, que atuam contra os agentes que provocam as doenças infecciosas.

 

A vacina da gripe existe em duas versões:

  • Trivalente (que possui proteção contra três tipos de vírus) – dois tipos de vírus A e um de vírus B;
  • Tetravalente (que possui proteção contra quatro tipos de vírus) – dois tipos de vírus A e dois tipos de vírus B;

A vacina influenza 2020 contém os 2 sorotipos de influenza A e os 2 sorotipos de influenza B que mais circularam no ano de 2019:

A/Brisbane/02/2018 (H1N1) pdm09

A/South Australia/34/2019 (H3N2)

B/Washington/02/2019 (Victoria)

B/Phuket/3073/2013 (Yamagata)

Na rede pública, a vacina trivalente está disponível para os chamados grupos prioritários pelo Ministério da Saúde, em relação ao maior risco de adoecimento e possibilidade de evolução para quadros graves.

Na rede privada as vacinas trivalente e tetravalente estão disponíveis para pessoas a partir de seis meses, sem restrições de idade.

Em meio aos riscos do novo coronavírus, independentemente da indicação de uso de proteção ou não, é importante que a população se vacine contra a gripe seja através da rede pública, com a vacina trivalente, ou na rede particular com a tetravalente

Outras boas práticas para se prevenir, tanto contra o novo coronavírus quanto em relação à gripe, são:

  • Frequente higienização das mãos com água e sabonete;
  • Quando as mãos não estiverem visivelmente sujas, pode ser utilizado álcool em gel;
  • Etiqueta respiratória (utilizar lenço descartável para higiene nasal; cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir; evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca; higienizar as mãos após tossir ou espirrar).

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Aqui estão as principais dúvidas em relação ao coronavírus (COVID-19) e à vacina da gripe, respondidas:

Já existe vacina para o coronavírus (COVID-19)?

No momento, ainda não há uma vacina disponível contra o novo coronavírus.

Já existe algum tratamento para o novo coronavírus?

Até o momento, não há medicamento antiviral específico para tratamento do coronavírus (COVID-19). As pessoas infectadas recebem cuidados para alívio dos sintomas e aquelas com doenças graves ou com visível agravo do quadro devem ser hospitalizadas para tratamento. A maioria das pessoas apresentam boas respostas aos tratamentos e cuidados de suporte tendo boa recuperação.

Os sintomas do coronavírus (COVID-19) são os mesmos da gripe?

Os sintomas do coronavírus (COVID-19) dependem do vírus, há sintomas comuns como febre, tosse e dificuldade de respirar, sintomas que se assemelham, bastante, ao resfriado comum. Em casos mais graves a infecção por coronavírus (COVID-19) pode causar pneumonia, síndrome respiratória aguda grave, em alguns casos insuficiência renal e até evoluir ao óbito.

Como posso me proteger contra o coronavírus (COVID-19)?

Para evitar a infecção pela COVID-19, são importantes cuidados gerais como:

  • Evitar aglomerações e ambientes mal ventilados
  • Ao tossir ou espirrar, utilizar um lenço descartável e jogá-lo fora a seguir
  • Evitar tocar a face com as mãos (olhos, boca e nariz)
  • Lavar as mãos com frequência
  • Se não houver sujeira aparente, a higienização das mãos pode ser feita também com álcool gel

A vacina contra a gripe pode me proteger contra o coronavírus (COVID-19)?

Não, a vacina contra a gripe (influenza) não protege contra o novo coronavírus.

Por que devo me vacinar contra a gripe?

Vacinar-se contra a gripe (influenza) evitará uma infecção respiratória que pode ser grave e as complicações que possam decorrer dela.

Isso diminuirá também a possibilidade de confundir sintomas de gripe com os do novo coronavírus.

Qual a composição da vacina contra a gripe em 2020?

A vacina influenza 2020 contém os 2 sorotipos de influenza A e os 2 sorotipos de influenza B que mais circularam no ano de 2019

A/Brisbane/02/2018 (H1N1) pdm09

A/South Australia/34/2019 (H3N2)

B/Washington/02/2019 (Victoria)

B/Phuket/3073/2013 (Yamagata)

A vacina influenza pode causar gripe?

Não, a vacina influenza disponível no Brasil é feita com vírus inativados e não tem risco de causar gripe.

 Quais os eventos adversos mais comuns que a vacina influenza pode causar?

  • Reações no local da injeção  como: Dor, vermelhidão e inchaço
  • Reações gerais como: Inapetência, irritabilidade, dor de cabeça

Quem pode tomar a vacina influenza?

 A vacina pode ser aplicada a partir dos 6 meses de idade.

Qual é o esquema da vacina influenza?

Crianças a partir de 6 meses até 9 anos nunca vacinadas contra influenza devem receber duas doses da vacina  com intervalo ideal de 4 semanas

O intervalo mínimo entre as doses é de 21 dias

Nos demais casos, aplica-se uma única dose a cada ano

A vacina influenza pode ser aplicada ao mesmo tempo que outras vacinas?

Sim, a vacina influenza pode ser administrada simultaneamente com outras vacinas. Também não há necessidade de nenhum intervalo para a aplicação de vacinas antes ou depois.

Entenda como o novo coronavírus se espalhou pelo mundo, qual a relação dele com a vacina da gripe e como se prevenir

 

Veja onde se vacinar em Locais de Aplicação

Referências Bibliográficas:

Sbim

Saúde.Gov

Saúde.Gov

 

Autoras:

Profa. Dra. Camila de Melo Accardo

Biomédica

CV: htttp://lattes.cnpq.br/5215109857014880

Profa. Ms. Midiã Dias de Jesus Seno.

Biomédica

Vacinas por Perfil

Aqui você encontra todas as vacinas que você deve tomar de acordo com seu perfil e cuidados ao viajar.

MaisLidas