Agende já suas vacinas
Vacinas
15 nov 2019 | AUTOR: Equipe Vacinas.com.br

Vacinas: O que são e quais são

Vacinas: O que são e quais são as principais

Calendário 2020: saiba quais são as vacinas que você deve tomar

Nos últimos anos, surtos de doenças como a febre amarela e o sarampo têm colocado em debate o tema da vacinação. Enquanto as autoridades governamentais promovem campanhas de vacinação e especialistas explicam a necessidade das vacinas, muitos brasileiros ainda se posicionam contra elas. Afinal, como as vacinas atuam no nosso organismo e que benefícios trazem? É o que vamos ver agora.

Em primeiro lugar, vamos entender exatamente o que é uma vacina. Segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM), as vacinas “são obtidas a partir de partículas do próprio agente agressor, sempre na forma atenuada (enfraquecida) ou inativada (morta)”, ou seja, são vírus e bactérias enfraquecidos. É por estarem nessa forma “fraca” que esses agentes não causam doenças no organismo das pessoas que tomam as vacinas. Ao contrário, o nosso sistema imunológico reconhece aquele agente como um corpo estranho e passa a produzir anticorpos para combatê-lo, criando o que é chamado de “memória imunológica”. Isso quer dizer que da próxima vez que alguém vacinado for exposto ao vírus ou bactéria presente naquela vacina, os anticorpos que irão neutralizar o agente serão produzidos rapidamente, evitando que a doença se instale.

O Programa Nacional de Imunizações (PNI) no Brasil vêm obtendo resultados muito eficazes e seguros no combate a doenças por meio da vacinação. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), as vacinas salvam mais de 3 milhões de vidas por ano no país. Ainda de acordo com a OMS, as vacinas continuam sendo uma das principais formas de manter o mundo seguro, e a negligência com o assunto oferece risco à saúde mundial.

Calendário 2020: saiba quais são as vacinas que você deve tomar

A indicação e o período em que as vacinas devem ser tomadas variam de acordo com o grupo ao qual o indivíduo faz parte, podendo estar inserido situacionalmente em mais de um deles. Por exemplo, as crianças, os adultos, idosos, pessoas que irão fazer viagens para lugares que requerem vacinas específicas, grávidas, entre outros. Algumas das vacinas mais comumente indicadas são: BCG, Tríplice viral, para bebês e crianças, Febre Amarela, para casos de surtos ou de viagens, HPV bivalente ou HPV quadrivalente, especialmente para as mulheres e a vacina gripe, para os idosos que fazem parte do grupo de risco para essa doença.

Muitas vacinas estão disponíveis na rede pública, e as datas podem ser consultadas no calendário de vacinação de 2020. No entanto, é importante lembrar que muitas das vacinas disponibilizadas na rede pública atendem somente a determinados grupos. Por exemplo, a vacina do HPV pode ser tomada no SUS por meninas e meninos entre 9 e 14 anos, após essa idade a vacina deve ser procurada na rede privada, até os 45 anos de idade. Além disso, as vacinas que não estão incluídas nas campanhas do PNI podem ser adquiridas na rede privada.

O perigo do movimento antivacinas

Apesar dos benefícios trazidos pela vacinação, o movimento antivacina têm crescido no Brasil, a ponto de ter alcançado o topo da lista de ameaças à saúde global, publicada pela OMS em 2019. O retorno dos casos de Sarampo mostrou que é preciso se vacinar contra doenças praticamente erradicadas. A volta da poliomielite (paralisia infantil) também preocupa a Organização, já que vacinação é o único modo de impedir que essas doenças se alastrem.

O receio de sofrer efeitos adversos afasta muitos brasileiros da vacinação. No entanto, as vacinas passam por rigorosos testes antes de serem disponibilizadas a fim de minimizar tais efeitos, que, em geral, quando ocorrem, passam em poucos dias. Além disso, pessoas com doenças crônicas como asma (de moderada a grave), fibrose cística, diabetes, hipertensão, insuficiência cardíaca, entre outras, assim como crianças e idosos, podem fazer parte do grupo de risco, ou seja, aquele que está mais vulnerável à doença, logo, o que mais precisa da vacinação. Por outro lado, há contraindicações que devem ser avaliadas por um médico, caso a caso.

É importante lembrar que para deter doenças infectocontagiosas, é necessário vacinar pelo menos 80% da população suscetível, o que significa, na prática, que estamos mais protegidos individualmente quando todos estão.

Cuide de si e da sua família, vacine-se!

 

Explicação do que são vacinas

 

Fontes:

Drauzio Varella, Arca, Saúde Abril, Nações Unidas, Sbim, G1 Globo, Sbim e Nações Unidas

 

Vacinas por Perfil

Aqui você encontra todas as vacinas que você deve tomar de acordo com seu perfil e cuidados ao viajar.

MaisLidas